Este é o roteiro da nossa viagem de comboio/ trem pelo Japão, um dos países que mais gostámos de visitar e onde desejamos regressar em breve.

Visitámos o Japão na primavera (de 20 de Março a 11 de Abril) para presenciar um dos acontecimentos mais aguardados pelos japoneses todos os anos: a “sakura”, ou seja, o espetáculo das cerejeiras em flor.

Uma vez que foi a primeira vez que fomos ao Japão e só dispúnhamos de três semanas, decidimos visitar aqueles locais que faziam parte do nosso imaginário, sobretudo: Tóquio, Quioto, Hiroshima, Miyajima e o Monte Fuji. Entretanto, enquanto pesquisávamos e planeávamos a nossa viagem, descobrimos outros dois locais que, apesar de pouco visitados e longínquos, nos despertaram grande interesse, nomeadamente Koyasan e Daimon Zaka.

Salvo raras exceções que mencionaremos mais adiante, viajámos sempre de comboio/ trem, porque este meio de transporte nos podia levar, de uma forma veloz, pontual e económica a todos os locais que queríamos visitar no país.

Guia prático para visitar o Japão

Roteiro

Poderá imprimir aqui a versão PDF do nosso roteiro.

Visto

Os portugueses não necessitam de visto de entrada no Japão, desde que não fiquem no país mais do que 90 dias.

Como nos deslocámos no Japão

Como referimos anteriormente, viajámos de comboio/ trem entre todas as localidades.

Exceções:

  • Miyajima | Fizemos a travessia para a ilha de ferry. Mais informações em: www.japan-guide.com/e/e3454.html;
  • Monte Koya | Tivemos de apanhar um funicular para chegar lá em cima. Mais informações em: www.japan-guide.com/e/e3454.html;
  • Apanhámos um autocarro de Takayama para Ogimachi (Shirakawago) e, daí, outro autocarro para Kanazawa. Dicas:
    • Convém comprar estes bilhetes com antecedência;
    • É possível guardar a mala na estação de camionagem de Ogimachi, para poder ir explorar a aldeia à vontade.

Japan Rail Pass

Para viajarmos de comboio/ trem, compensou-nos comprar o Japan Rail Pass, um passe de comboio/ trem válido por 7, 14 ou 21 dias consecutivos, a começar na data em que o passe é usado pela primeira vez. Tem de ser comprado online e com antecedência no país onde residimos e depois ser levantado no Japão (por exemplo, no Aeroporto Internacional de Narita ou na Estação Central de Tóquio) juntamente com o passaporte.

Dicas:

  • Nós comprámos o nosso passe através do site www.japan-rail-pass.pt e não tivemos qualquer problema;
  • Não compensa incluir os dias que passará em Tóquio no Japan Rail Pass porque, na cidade, é mais prático usar o metro.
  • Alguns comboios/ trens têm lugares reservados. Por isso, tem de se deslocar ao guiché para marcar os lugares.

SIM-card

Apesar do Japão ser um país muito avançado tecnologicamente, não encontrámos muitos locais com Wi-Fi no país. Se está a planear viajar de comboio/ trem é fundamental comprar um SIM-card à chegada, para poder consultar a aplicação HyperDia, onde poderá ver o horário de todos os comboios/ trens, tempo de viagem, linha de embarque, informação de transfer, etc. É mesmo muito útil.

Dormir

Se vai viajar de comboio/ trem, recomendamos que fique hospedado perto das estações ferroviárias, para não ter de carregar a bagagem até longe. Além disso, as estações estão muito bem servidas de transportes públicos caso precise de os usar.

Aconselhamos ainda que experimente diferentes tipos de alojamento no Japão, como ficar (pelo menos uma noite) num:

  • Hotel-cápsula | Uma opção barata e diferente de tudo o que já experimentámos;
  • Ryokan | Uma hospedagem típica japonesa que possibilita vivenciar o estilo de vida tradicional, dormindo em futons sobre um chão de tatame (palha de arroz prensada). Alguns ryokans têm “onsens”, isto é, banhos termais ao estilo japonês;
  • Templo | Koyasan é um dos melhores sítios para dormir num templo e ficar a conhecer um pouco da vida dos monges, podendo-se provar a sua comida vegetariana e presenciar as orações da manhã. Cerca de 50 templos oferecem este serviço tanto a peregrinos como a visitantes.

Estes foram alguns dos nossos alojamentos preferidos no Japão:

  • Ark Hotel Kyoto | O melhor, entre os hotéis mais baratos, que encontrámos em Quioto;
  • Hoshidekan | Uma casa tradicional, construída em 1920, situada relativamente perto da estação de Ise;
  • Ryokan Kaminaka | Um ryokan tradicional localizado a 3 minutos a pé da estação de Takayama;
  • Tokyo Ginza Bay Hotel | Um estiloso hotel-cápsula onde passámos 7 noites em Ginza, uma das zonas mais caras e bem situadas de Tóquio – uma experiência que nunca esqueceremos!

Como nos deslocámos dentro das localidades

Na maioria dos sítios que visitámos, deslocámo-nos a pé, nomeadamente em: Nara, Myajima, Himeji, Osaka, Katsuura, Takayama, Ogimachi e Kanazawa.

Noutros sítios, as distâncias eram muito grandes. Por isso, às vezes tivemos de apanhar ou autocarros ou o metro que, à semelhança dos comboios/ trens, são super eficientes. Foram os casos de:

  • Quioto | Autocarro.

    Dicas para andar de autocarro em Quioto:

    • Faça o download do mapa Travel Map “Subway & Bus Navi” ou recolha-o na estação ferroviária ou no seu hotel, para saber que autocarros apanhar para cada atração turística;
    • A maioria dos autocarros sai da estação de comboios/ trens. Logo, ficar alojado perto da mesma é uma mais-valia;
    • Se planeia andar de autocarro várias vezes, compensa comprar um bilhete diário.
  • Hiroshima | Apanhámos um elétrico na estação ferroviária para o Parque Memorial da Paz. Mais informações em: www.japan-guide.com/e/e3400.html;
  • Monte Koya | Deslocámo-nos de autocarro entre o funicular e o centro da localidade. Mais informações em: www.japan-guide.com/e/e3454.html;
  • Daimon-Zaka | Apanhámos um autocarro até ao início do percurso pedestre;
  • Ise | Deslocámo-nos de autocarro entre o Santuário Exterior e o Santuário Interior. Mais informações em: www.japan-guide.com/e/e4301.html;
  • Tóquio | Metro.

    Dicas para andar de metro em Tóquio:

    • Nos guichés de apoio do metro, peça um mapa e um “Tokyo Metro Guide” com informação detalhada sobre os principais locais turísticos que poderá visitar usando o metro;
    • Para sair das estações, siga o número da saída correspondente ao local que quer visitar;
    • Se planeia andar de metro várias vezes, compensa comprar um bilhete diário.
  • Parque Hitachi | Apanhámos um autocarro na estação ferroviária para a entrada do parque. Mais informações em: www.japan-guide.com/e/e6203.html.

Como planear uma viagem ao Japão na época das cerejeiras em flor

Efémeras como a vida, as flores das cerejeiras não duram mais do que dez dias, sendo difícil planear uma viagem com vista a acertar em cheio nas datas. Nós, por exemplo, chegámos demasiado cedo a Quioto e, só a meio da viagem, em Kumano Nachi Taisha, vimos as primeiras flores. Quando, na última semana, chegámos Tóquio as pétalas brancas e cor-de-rosa já voavam pelos jardins, mas estes continuavam cheios de japoneses a conviver e a fazer piqueniques rodeados de cerejeiras.

Dicas:

  • No Japão, a época das cerejeiras em flor ocorre entre o final de Março e o início de Abril;
  • O site www.japan-guide.com/sakura é uma grande ajuda para planear a viagem, porque apresenta uma previsão (atualizada regularmente) da “sakura” nas várias regiões do país;
  • A época das cerejeiras em flor, considerada a mais bonita para visitar o Japão, é muito procurada por turistas quer japoneses quer estrangeiros. Por isso, é preciso reservar alojamento com mais de 3 meses de antecedência. O mesmo vale para o outono, que é outra época alta no Japão.

Dinheiro

A maioria dos bancos e caixas multibanco no Japão não permitem usar cartões de débito/crédito estrangeiros. Procure as caixas ATM nas lojas 7 Eleven. Como não existem em todo o lado, convém ter sempre algum dinheiro de reserva.

Para poupar dinheiro nos levantamentos e pagamentos, usámos o cartão Revolut, como aliás fazemos sempre que viajamos para fora da zona Euro. Mesmo assim, também levámos os cartões bancários portugueses como plano B.

Comer

O Japão foi, até hoje, o país onde comemos melhor. Há imensos restaurantes, o serviço é educadíssimo, a qualidade dos ingredientes e a forma como são preparados são irrepreensíveis e a higiene é algo com que nunca tivemos de nos preocupar.

O nosso conselho é que prove todos os tipos de comida que for encontrando pelo caminho, seja nas lojas, na rua ou nos restaurantes.

Ora veja algumas das comidas que poderá provar:

  • Bento boxes | Umas caixinhas à venda nas estações de comboio/ trem e nas proximidades, muito úteis para comer durante as viagens de comboio/ trem;
  • Ramen | Um caldo com noodles, carne, vegetais, ovo e especiarias – um dos nossos pratos preferidos e um dos mais baratos;
  • Gyosas | Pastéis com uma crosta dourada, recheados com carne de porco e, às vezes, camarão ou vegetais;
  • Okonomiyaki | Uma espécie de panqueca típica de Hiroshima, servida com noodles e muitos ingredientes à mistura;
  • Soba e Udon | Noodles à base de trigo: os de Soba, mais finos e os de Udon, mais grossos;
  • Tempura | Um prato de origem portuguesa igual aos nossos peixinhos-da-horta, que consiste em vegetais panados e envoltos em polme, fritos de forma a ficarem muito leves;
  • Takyoyaki | Bolinhas fritas com pedacinhos de polvo no interior;
  • Sushi e Sashimi | Dispensam explicações, certo?

Dica: não dê gorjeta no Japão, porque é considerado ofensivo e vão-lhe devolver o dinheiro.

Lost in Translation

No Japão, são poucas as pessoas que falam inglês. Uma das estratégias que usámos para resolver esse problema foi dirigirmo-nos aos mais jovens. Há situações, porém, em que não se encontra ninguém que fale inglês. Nesses casos, sugerimos que use apps de tradução como o Google Translator ou o Translate da Microsoft, que lhe permitirão falar em inglês/português recebendo depois uma tradução em japonês. Não são perfeitas, mas ajudam.

Seguro de viagem

Apesar de não ser obrigatório, antes da partida recomendamos que faça um seguro de viagem para cobrir despesas médicas e hospitalares. Nós fazemos sempre que viajamos para fora da Europa e, sendo o Japão um país caro, justifica-se ainda mais. Não arrisque.

Websites úteis

Se gostou deste artigo, pode deixar um comentário em baixo e seguir-nos através do Instagram e Facebook. A si não custa nada e a nós motivar-nos-á a partilhar mais experiências de viagem. Boas viagens à solta!

Veja mais:

2 Comentários

  1. Ana Isabel da Silva Garcia Ferreira Marques

    Boa Tarde.
    Obrigada pela partilha que veio mesmo a calhar .Há meses que ando a sonhar com o Japão
    Dei uma olhada mas vou voltar com mais tempo . É bom demais para ler na diagonal.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *