Pouca terra, pouca terra. Lembras-te de sorrir em criança quando ouvias esta expressão? A criança que eras tornou-se uma pessoa adulta que ganhou medos, desconfianças e cansaço na alma. É preciso sacudir-lhe a rotina, o marasmo, a desilusão. Vamos metê-la dentro do Vouguinha: o comboio histórico do Vouga, composto por uma locomotiva a diesel e três carruagens de madeira dos primeiros anos do século XX.

A pessoa adulta olhará para este comboio com interesse, por ser tão diferente dos comboios modernos. Vai querer pegar no telemóvel para tentar captar o que vê. Não a deixes. Assim verá com os olhos e demorá-los-á nos pormenores: nas carruagens verde e azul escuro, pintadas de verde clarinho por dentro; nos típicos varandins de ferro; nas cortinas de pano em todas as janelas; nos bancos de madeira – que duros eram antigamente.

Menina à janela do Vouguinha

É da bonita estação de Aveiro que parte o Vouguinha; pouca terra, pouca terra até Macinhata do Vouga. A paisagem do lado de fora da janela não é especialmente bonita. Há muitas casas espalhadas pela paisagem, casas que não falam umas com as outras nem te dizem nada.

Redescobres, porém, o prazer de meter a cabeça fora da janela. Sentes o vento sobre o rosto e a velocidade a soprar-te os cabelos. Recolhes a cabeça quando sentes perigo e voltas a metê-la de fora, outra e outra vez. Sorris como quando eras criança. E continuas a sorrir quando vais espreitar o varandim entre as carruagens e o que existe no fim do comboio, onde sentes uma sensação de liberdade que não consegues explicar.

Sofia no varandim do vouguinha

Entretanto, os cantares que ouvias ao longe aproximam-se da tua carruagem. O teu eu adulto torce o nariz. Imaginas pessoas contrariadas, com ar de enfado e obrigação, a cantar músicas tradicionais para os passageiros do comboio. Todavia, quem chega ao corredor da tua carruagem é um grupo de jovens bonitos e bem vestidos. Tocam instrumentos tradicionais e cantam a sorrir. Queres pegar novamente no telemóvel para guardar esse momento, para não o perder, mas qualquer foto que tires ou vídeo que graves será menos bom do que o que estás a viver no presente. Por isso, tenta-o viver apenas – como as crianças.

Vouguinha

Não é fácil voltar à infância e provavelmente só o conseguirás de verdade quando te oferecerem um Pastel de Águeda a meio da viagem. Nesse momento, sentirás alegria e logo a seguir desilusão genuínas, por ser tão pequenino, só te faltando chorar.

Entretanto, o comboio parou em Macinhata do Vouga onde “vamos apanhar um comboio com destino ao passado”. Não te vamos contar o que se irá passar, para não estragarmos a surpresa. Dir-te-emos apenas que é um dos pontos altos do passeio. Se quiseres, podes tentar adivinhar o que é através das fotos que tirámos quando estivemos lá.

Comboio histórico do Vouga

Antes de regressar a Aveiro, o Vouguinha ainda pára em Águeda, para uma visita ao centro histórico, incluindo o famoso “The Umbrella Sky”, uma instalação de milhares de chapéus-de-chuva coloridos nas ruas da cidade.

Muitas vezes crias expetativas grandiosas em relação às viagens. Este passeio de comboio não é grandioso. É uma viagem simples, capaz de fazer as crianças felizes e de devolver prazeres esquecidos aos adultos, sacudindo-lhes a rotina da alma.

Passageiros de outro comboio a olhar para o vouguinha
Museu de Macinhata do Vouga
Comboios no Museu de Macinhata do Vouga
Horários do vouguinha e de outras linhas

Guia prático do Vouguinha

O trajeto da Linha do Vouga entrou ao serviço em 1908 e marcou o início do século XX na região, quer do ponto de vista social quer económico.

Recentemente, a CP – Comboios de Portugal pôs o Vouguinha (como também é carinhosamente chamado o Comboio Histórico do Vouga) novamente a circular na única linha de via estreita que sobra em Portugal.

A viagem realiza-se anualmente entre os meses de junho e outubro.

Horários e preços do Vouguinha

Saiba mais sobre o programa, preços, datas e horários do Vouguinha no site oficial: www.cp.pt/passageiros/pt/como-viajar/em-lazer/cultura-natureza/comboio-historico-vouga

Dica

Antes de embarcares no Vouguinha, não te esqueças de ver os magníficos azulejos da estação de Aveiro.

Outros artigos do Centro de Portugal

Se gostou deste artigo, pode deixar um comentário em baixo e seguir-nos pelo Instagram e Facebook. A si não custa nada e a nós motivar-nos-á a partilhar mais experiências de viagem. Boas viagens à solta!

One Comment

  1. Viagens à Solta,

    Adorei as fotografias (como sempre) e a vossa descrição de pequeno passeio pelo Comboio Histórico do Vouga. É um belo prefácio para a minha futura viagem pelo Comboio Histórico do Douro.

    Boas Viagens. Vejo-vos em Óbidos Fólio 2019 (Parabéns e Boa Sorte!).

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *