Em Junho, fomos passar duas semanas de férias aos Açores: um arquipélago descoberto pelos navegadores portugueses no século XV, composto por nove ilhas muito verdes, perdidas no meio do Atlântico, algures entre Portugal e a América.

Quem já visitou o arquipélago dir-lhe-á que é muito bonito e que vale a pena conhecer. E quase logo a seguir: “Levem roupa para as quatro estações do ano!”, “O tempo muda de um momento para o outro no mesmo dia!”. Que conselho mais genérico na hora de fazer a mala! Indecisões, fazer e refazer a bagagem, nervos à mistura, eis o que acabei por levar: um polar, um gorro, um impermeável com capuz, um casaco de malha, várias t-shirts de manga curta, duas de manga comprida, alguns pares de calças confortáveis, umas polainas e uns sapatos de caminhada impermeáveis, uns calções, um chapéu e um fato de banho. Desta vez, posso dizer que fui bem preparada.

Se visitámos as 9 ilhas em duas semanas? Não, visitámos 7. Não andámos a correr de ilha a ilha, delocámo-nos de avião e de barco e ainda tivemos tempo de subir à montanha mais alta de Portugal.

Para tudo correr bem, todavia, é preciso planear a viagem com antecedência: primeiro, escolher as ilhas onde se quer ir; segundo, estudar as ligações aéreas e marímas existentes e, por fim, dividir os dias disponíveis pelas ilhas a visitar.

  • Ligações aéreas: tanto a SATA como a TAP voam de Portugal continental para os Açores. As companhias aéreas de baixo custo Ryanair e Easyjet também, mas apenas para Ponta Delgada. Os voos entre as ilhas são assegurados pela SATA.
  • Ligações marítmas: os dois armadores que fazem a ligação entre as ilhas são a Transmaçor e a Atlânticoline.
  • As empresas de aluguer de automóveis no arquipélago não permitem o transporte marítimo de viaturas. Por isso, se está a pensar alugar carro, terá de o fazer em cada ilha.

Traçado o itinerário, pouco tempo antes da partida, fiz uma lista dos locais que gostaria de ver nas sete ilhas que visitaríamos, deixando margem para algum improviso e descoberta ao longo do percurso. Durante a viagem, acrescentei-lhe outros pontos de interesse e alguns comentários.

Mais tarde, partilhei essa lista com alguns amigos de visita aos Açores, cujos elogios e agradecimentos me levaram a pensar que também lhe poderia ser útil a si, caro leitor, que planeia ir aos Açores, mas não sabe muito bem o que vale a pena visitar.

Identifiquemos, pois, as sete ilhas onde estivemos e os locais que mais gostámos de ver em cada uma delas.

A nossa viagem ao Açores

Terceira

Nº de noites: 2
Locais a visitar

S. Jorge

Nº de noites: 1
Locais a visitar

Pico

Nº de noites: 3
Locais a visitar

Faial

Nº de noites: 2
Locais a visitar

Flores

Nº de noites: 4
Locais a visitar

Corvo

Nº de noites: 0
Locais a visitar

S. Miguel

Nº de noites: 3
Locais a visitar

O plano da viagem: as 7 ilhas que visitamos mais as ligações aéreas e marítimas que fizemos

7 Comentários

  1. Olá,
    excelente viagem aos Açores, e fotografias incriveis! Eu vou la para a semana e stou muito curioso me ver a lista de coisas a visitar em cada ilha, mas o link das listas parece nao estar a funcionar! Achas que me podes enviar por mail (franciscocarvalhoaraujo@gmail.com)? Obrigado!!

  2. Olá Francisco. Obrigado pelo aviso dos links avariados, entretanto já foram corrigidos.

  3. Que buen artículo! Me encantan su fotos! Visite Sao Miguel el año pasado y le he dedicado este pequeño post sobre sus plantaciones de té : http://www.paulinaontheroad.com/2016/03/02/vila-franca-and-tea-time-on-europe-s-only-tea-plantation/ Espero que os guste!

  4. Que blog sensacional! Ajuda preciosa para a viagem em 2018!
    Muito obrigada!!

  5. Boas dicas! Fica agora a faltar a visita às duas restantes! 😉

  6. Boa tarde. Num percurso de 15 dias semelhante ao vosso, em que ilhas aconselham (ou não) o aluguer de carro? Será aconselhável alugar e usufruir do mesmo mesmo com travessias de barco? Muito obrigada

    • Olá Renata, nós alugámos carro em todas as ilhas que visitámos, com exceção do Corvo.
      Assim pudemos ir a todos os locais que queríamos visitar e otimizámos o tempo que tínhamos disponível. Na altura, não se podia fazer a travessia entre ilhas com carro alugado. Tivemos de alugar um em cada ilha e com antecedência, porque não havia muitos disponíveis no verão. Espero ter ajudado. Boas viagens!

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *