O O Alto Alentejo é uma sub-região do Alentejo, que corresponde à totalidade do distrito de Portalegre. Com pouco mais de 100 mil habitantes, representa um Portugal mais autêntico, afastado do turismo de massas e, ao mesmo tempo, diferente das planícies alentejanas mais a sul.

No Alto Alentejo, há o Parque Natural da Serra de São Mamede, montanhas, rios, cascatas, além de montado, vinhedos e olivais. Há cavalos de puro-sangue lusitano, alguns dos melhores vinhos portugueses, gastronomia típica e artesanato único no mundo. Há cidades, vilas e aldeias de ruas estreitas e pequenas casas brancas com faixas de cor ocre. Muitas delas são fortificadas, tendo desempenhado, ao longo dos tempos, um papel importante na defesa da fronteira com a vizinha Espanha.

A lista que se segue não elenca a totalidade do que há para ver na região de Portalegre, mas os locais de que nós mais gostámos das várias vezes que lá estivemos, além das nossas recomendações de restaurantes e alojamentos.

Índice:

  1. Alto Alentejo: mapa dos principais pontos de interesse
  2. Alto Alentejo: o que visitar
    1. Centro histórico de Elvas
    2. Forte de Nossa Senhora da Graça
    3. Festas do Povo e centro histórico de Campo Maior
    4. Centro de Ciência do Café
    5. Adega Mayor
    6. Adega Torre de Palma
    7. Ruínas romanas de Torre de Palma
    8. Centro histórico de Estremoz
    9. Centro histórico de Portalegre
    10. Museu da Tapeçaria de Portalegre
    11. Alegrete
    12. Coudelaria de Alter
    13. Flor da Rosa
    14. Marvão
    15. Castelo de Vide
    16. Nisa
    17. Trilho das Jans
    18. Trilho do Conhal
    19. Belver
    20. Avis
  3. Outros locais a visitar no Alto Alentejo

Alto Alentejo: mapa dos principais pontos de interesse

Alto Alentejo: o que visitar

Centro histórico de Elvas

Dada a sua importante localização junto à fronteira com Espanha, em Elvas existe o maior conjunto de fortificações abaluartadas (em forma de estrela) do mundo, as quais, juntamente com o centro histórico da cidade, são Património Mundial da Humanidade

Não limite a sua visita aos fortes. Todo o centro histórico apela a passeios sem pressas, à descoberta de recantos encantadores. Os edifícios estão bem conservados, tendo vida própria, que não depende apenas do turismo.

Elvas, Alto Alentejo
Elvas, Alto Alentejo

Se for daquelas pessoas que gostam de madrugar, a zona do castelo é excelente para ver o nascer-do-sol. Numa das ruelas próximas, fica a Fábrica Museu da Ameixa de Elvas, a mais antiga a laborar na cidade. Depois poderá dar um passeio pela zona histórica passando pela Praça da República, pela Igreja de Nossa Senhora da Assunção, pelo Arco do Dr. Santa Clara e pelo Mercado Municipal, onde poderá conhecer os produtos da região e, quem sabe, fazer umas compras. 

Ao final do dia, recomendamos que espere pelo pôr-do-sol no Miradouro da Porta da Esquina e contemple de lá o Aqueduto da Amoreira.

Onde (gostámos de) comer:

Adega Regional: salão amplo de tetos abobados onde se podem experimentar vários pratos típicos alentejanos.

Onde (gostámos de) dormir:

Hotel Vila Galé Collection Elvas: antigo convento de S. Paulo, recuperado e perfeitamente enquadrado na cidade-fortaleza. Os vários espaços interiores, por si só, merecem uma visita.

Forte de Nossa Senhora da Graça

Tínhamos visitado este forte há mais de uma década e, apesar de proporcionar magníficas vistas panorâmicas sobre Elvas, estava bastante degradado. Por isso, estávamos com algum receio de regressar, mas fomos agradavelmente surpreendidos pela recuperação que fizeram do espaço.

Forte da Graça, Elvas, Alto Alentejo
Forte da Graça, Elvas, Alto Alentejo

Assente num ponto estratégico, com uma forma de estrela e dimensões impressionantes, foi construído com um objetivo defensivo, mas na realidade serviu quase sempre de prisão militar. 

Devido ao COVID-19, quando lá estivemos em Agosto de 2021, não estavam a realizar visitas guiadas. Tivemos apenas uma breve conversa com a D. Alice que nos falou de forma apaixonada sobre a fortaleza e nos contou algumas curiosidades. Recomendamos uma visita guiada, porque tornará a experiência muito mais rica.

Horários e preços: https://www.cm-elvas.pt/descobrir/forte-da-graca/ 

Festas do Povo e centro histórico de Campo Maior 

Esta vila fronteiriça é famosa pelas Festas do Povo, durante as quais as suas ruas se enchem de milhares de flores de papel.

Mesmo que não vá nessa altura, a zona histórica de Campo Maior merece uma visita, com destaque para a Porta da Vila, o Castelo, a Igreja Matriz e, ao seu lado, a Capela dos Ossos, uma das três existentes em Portugal.

Festas do Povo, Campo Maior, Alto Alentejo
Festas do Povo, Campo Maior, Alto Alentejo

Onde (gostámos de) comer: 

Taberna do Ministro: comida alentejana saborosa, com um toque caseiro.

Onde dormir:

Adaens: já se imaginou a dormir dentro de uma carruagem convertida em alojamento? Veja as fotos se não estiver convencido.

Centro de Ciência do Café

Localizado em Campo Maior, este espaço foi criado pela Delta Cafés, empresa líder no mercado nacional na torra e comercialização de café. É um centro moderno, muito interativo e recomendado para todas as idades, que nos surpreendeu pela positiva.

No museu é explicado todo o processo de produção do café, desde a planta e respetivos grãos (com estufa e tudo!), passando pela torrefação até à bebida final. É também feito um enquadramento histórico, sempre com vídeos e expositores interativos para manter os mais pequenotes interessados.

No final, ainda se é convidado a experimentar um café ou uma bebida à base de café, preparados por um barista profissional.

Horários e preços: https://centrocienciacafe.com/visitar

Adega Mayor

Ali mesmo ao lado, ergue-se a Adega Mayor, fruto da paixão de Rui Nabeiro, fundador da Delta Cafés, pelos vinhos e pela sua terra. O edifício, desenhado pelo arquiteto Siza Vieira, é tão discreto por fora como impressionante por dentro. As visitas guiadas são interessantes e, se o edifício por si só não fosse suficiente, terminam numa degustação de produtos da região e numa prova dos excelentes vinhos que por lá se produzem.

Informação sobre as visitas: https://www.adegamayor.pt/pt/pt/enoturismo-alentejo/visita-mayores/ 

Vinhas junto à Adega Mayor, Alto Alentejo
Adega Mayor, Campo Maior, Alto Alentejo

Adega Torre de Palma

Ir ao Alto Alentejo e não provar um bom vinho da região é imperdoável. Além da Adega Mayor, há outras produções de vinho que disponibilizam visitas guiadas e provas. Muitas até incluem o seu próprio restaurante e alojamento, como é o caso do Torre de Palma, um Wine Hotel belíssimo, com piscina exterior e interior, rodeado de vinhas. 

Mesmo que não fique alojado no hotel, poderá visitar a adega acompanhado pelo enólogo e fazer provas de vinho, entre outras experiências vínicas. Mais informações em: https://www.torredepalma.com/ofertas/visita-e-prova-de-vinhos/125/ 

Ruínas romanas de Torre de Palma 

Nas proximidades do hotel, ficam as inesperadas ruínas do que terá sido a Villa Romana de Torre de Palma, classificadas como Monumento Nacional. A visita guiada que fizemos com uma arqueóloga tornou esta experiência verdadeiramente interessante, já que nos deu o enquadramento histórico necessário e nos mostrou os vestígios das várias zonas: residência do nobre, balneários, batistério e zonas de culto.

Horários e marcação de visitas: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/itinerarios/alentejo-algarve/08/ 

villa romana de torre de palma, alto alentejo
Villa romana de Torre de Palma, Monforte, Alto Alentejo

Por falar em vestígios romanos, sabia que no Alto Alentejo, mais propriamente entre Castelo de Vide e Marvão, ficam as ruínas de Ammaia, uma das maiores cidades romanas do Alentejo no século I d.C.?

Centro histórico de Estremoz

A cidade de Estremoz é famosa pela sua produção de mármore branco. Esta pedra é tão comum que é presença assídua nas fachadas dos edifícios, sendo a Torre de Menagem provavelmente o mais surpreendente de todos.

estremoz
Centro histórico de Estremoz

A produção de Figurado em Barro de Estremoz (vulgarmente conhecido como Bonecos de Estremoz) é uma tradição com vários séculos, tendo sido declarada Património Cultural e Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2017. Enquanto passeávamos pela cidade, conhecemos o Sr. José Carlos Rodrigues, um artesão que nos contou que a sua loja tinha sido inaugurada no dia anterior e que aprendeu o ofício com Fátima Estroia, a artesã mais antiga de Estremoz. Se quiser saber mais sobre os bonecos, poderá visitar o Museu Municipal ou o recém-inaugurado Centro Interpretativo do Boneco de Estremoz, no Palácio dos Marqueses da Praia e Monforte.

bonecos de estremoz
Bonecos de Estremoz

Onde (gostámos de) comer:

Gadanha Mercearia: apesar do preço acima da média, este é um restaurante a que voltamos sempre que podemos, pela inovação e qualidade dos sabores.

Centro histórico de Portalegre

Portalegre é a capital do distrito com o mesmo nome e a capital do Alto Alentejo. Embora não sendo a cidade mais populosa (é Elvas), merece uma visita, já que está cheia de história e património, incluindo 18 palácios e 7 mosteiros. Deixe-se perder pelas ruelas intra-muralhas do centro histórico, não deixando de visitar o Castelo e a Catedral. Na zona do Rossio, poderá encontrar um plátano gigantesco com quase 200 anos, ao qual tiveram de amparar os longos ramos e que faz as delícias de quem busca uma sombra fresca. 

Onde (gostámos de) comer:

Sal, alho e etc: pratos típicos da região, com especial destaque para uma entrada chamada “Fava magana”. A descrição no menu não lhe faz justiça – é uma delícia.

Onde dormir: 

Hotel Rossio: um hotel de 4 estrelas que não podia estar mais bem situado para visitar Portalegre, já que fica mesmo no centro de tudo.

Museu da Tapeçaria de Portalegre

Neste museu, situado no centro histórico da cidade, poderá encontrar a famosa tapeçaria mural decorativa de Portalegre, exímia a traduzir o cartão do pintor, usando uma técnica totalmente manual em teares verticais.

Só de ver é fascinante mas, se for com tempo, recomendamos uma visita guiada que irá, sem dúvida, enriquecer a tua experiência.

Horários e preços: https://www.cm-portalegre.pt/pt/atividade-municipal/cultura/museus 

Alegrete

Alegrete é uma bonita aldeia situada em pleno Parque Natural da Serra de São Mamede. Além do castelo e da Igreja Matriz (século XVI), vale a pena passear pelas pacatas ruas com o seu típico casario branco de faixas coloridas, sentindo a verdadeira essência alentejana.

igreja de alegrete, alto alentejo
Alegrete, Alto Alentejo

Coudelaria de Alter

A Coudelaria de Alter foi criada em 1748 com o propósito de preservar o património animal da raça lusitana e preparar estes cavalos para integrarem a Escola Portuguesa de Arte Equestre.

As visitas são guiadas e incluem o Centro Interpretativo nas Casas Altas, o Páteo das Éguas (e potros), as cavalariças dos garanhões, a Casa dos Trens e, por fim, a Falcoaria e o Museu da Falcoaria, onde se explica toda a arte de caça com aves de rapina.

coudelaria de alter, alto alentejo
Alto Alentejo: o que visitar – Coudelaria de Alter

Para nós, o ponto alto foi a saída da eguada, isto é, o momento em que as éguas e os filhotes saem do Páteo das Éguas para as pastagens onde passam a noite.

Horários e preços: https://alterreal.pt/ 

Onde dormir:

Vila Galé Collection Alter Real: um hotel luxuoso inserido de forma perfeita no interior da coudelaria.

Flor da Rosa

Suposto local de nascimento de D. Nuno Álvares Pereira, Flor da Rosa é uma aldeia histórica perto do Crato, famosa pelo Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa, uma construção fortificada do séc. XIV, parcialmente visitável, que foi convertida num dos alojamentos mais incríveis do Alto Alentejo: a Pousada Mosteiro do Crato.

A título de curiosidade, dada a sua importância histórica, foi feito um investimento para não haver cabos elétricos aéreos na aldeia, optando-se por enterrá-los – ação que certamente iria beneficiar muitas outras localidades do nosso país.

pousada mosteiro do crato, alto alentejo
Pousada Mosteiro do Crato, Flor da Rosa

Noutros tempos, Flor da Rosa também foi famosa pela produção de loiça utilitária. Para honrar a tradição, existe uma Casa Museu da Olaria e uma Escola de Olaria onde qualquer pessoa pode aprender a fazer peças de barro com Rui Heliodoro, o único oleiro em atividade em Flor da Rosa.

Para marcar um workshop de olaria, basta contactar a TOOBRAA que, aliás, organiza várias experiências inesquecíveis no Alto Alentejo. Ora veja: http://www.toobraa.com/

Onde dormir:

Pousada Mosteiro do Crato: dormir neste hotel é fazer uma viagem inesquecível ao passado, com os luxos e confortos da atualidade.

Marvão

Marvão é, para nós, uma das localidades mais bonitas e surpreendentes de Portugal.

Situada no alto de uma crista quartzitica da Serra de São Mamede, é uma vila muralhada com um imponente castelo, ruas estreitas, recantos pitorescos, casinhas brancas e edifícios históricos muito bem preservadas, além de vistas incríveis sobre a imensa paisagem em redor.

vista do castelo de marvão, Alto Alentejo
O que visitar no Alto Alentejo – Marvão

Quer saber mais sobre Marvão e o que visitar? Clique aqui para ler o nosso artigo e ver fotos.

Dica: nos dias quentes de verão, poderá descer à Praia Fluvial de Portagem para se refrescar nas águas do rio Sever.

Praia Fluvial de Portagem, alto alentejo
Praia Fluvial de Portagem, Alto Alentejo

Onde comer:

  • Varanda do Alentejo: como o nome sugere, tem uma vista a perder de vista sobre a paisagem. Recomendamos a carne de veado, de que gostámos especialmente.
  • Perto de Marvão, na aldeia de Galegos, o Lagar Melara Picado Nunes produz o azeite biológico Castelo de Marvão, mantendo-se o método de cultura o mais tradicional possível. O lagar e a maquinaria antigos foram convertidos em museu, o qual pode ser visitado mediante marcação, incluindo no final uma degustação de azeite e produtos da região. Mais informação: https://mpn.pt/
Lagar Melara Picado Nunes, Alto Alentejo
Lagar Melara Picado Nunes

Onde dormir:

  • Pousada de Marvão: situada dentro das muralhas, em duas pequenas casas tradicionais caiadas de branco, esta pousada permitir-lhe-á sentir Marvão como só se consegue ficando lá a dormir.

Castelo de Vide

A par de Marvão, esta é certamente uma das nossas vilas preferidas do Alto Alentejo e de Portugal.

Cercada por muralhas, o seu labirinto de ruelas empedradas pede uma visita calma e sem pressas. Recomendamos que comece pelo posto de turismo e siga as rotas marcadas que o levarão pelos recantos orgulhosamente floridos, subindo até ao castelo e ao bairro medieval, descendo de seguida pela Judiaria mais bem conservada de Portugal, passando pela Sinagoga e terminando na Fonte da Vila.

Recomendamos também uma visita à Ermida de Nossa Senhora da Penha, parando no miradouro de onde se tem uma vista fantástica para Castelo de Vide e toda a paisagem envolvente.

Onde comer:

A Confraria: a oferta varia entre pratos típicos alentejanos e pratos de caça, que normalmente não se encontram noutros restaurantes.

Onde dormir:

Quinta das Lavandas: descansar rodeado de campos de lavanda em flor.

Castelo de Vide, Alto Alentejo
Vista panorâmica sobre Castelo de Vide desde a Ermida de Nossa Senhora da Penha

Nisa

A vila de Nisa sempre esteve ligada ao artesanato, nomeadamente à olaria e aos bordados. As peças de olaria decorativa, ornamentadas com pequenas pedrinhas de quartzo, são únicas. Já são poucos os artesãos que mantêm a tradição, como é o caso do mestre oleiro António Piedade e da sua esposa Antónia. Com minúcia e precisão vão incrustando as pequenas pedrinhas brilhantes nas peças de barro ainda húmido. Tarefa que parece fácil quando desempenhada por mãos treinadas desde criança.

Recentemente a Rua de Santa Maria foi requalificada, inspirada na Olaria Pedrada de Nisa. É um dos pontos obrigatórios na visita ao pequeno centro histórico intra-muralhas, a par da Rua Dr. Francisco Miguens, do Museu do Bordado e do Barro (entrada gratuita) e da peça Valquíria, de Joana Vasconcelos.

Também a não perder é o popular queijo de Nisa, um queijo curado de ovelha com denominação de origem protegida, que poderá encontrar na ementa de qualquer restaurante de Nisa e de praticamente todo o Alto Alentejo.

Onde comer: 

Regata (em Alpalhão). Comemos uma fabulosa a espetada de touro. Vale a pena ir lá só por esse prato!

Onde dormir:

Monte Filipe Hotel (em Alpalhão): hotel moderno e sossegado, com uma boa relação qualidade-preço.

Trilho das Jans

Como amantes de caminhadas que somos, não podíamos de deixar de incluir nesta lista dois percursos pedestres que adorámos fazer no Alto Alentejo, mais propriamente no concelho de Nisa. O primeiro chama-se Trilho das Jans (circular, 11 km, 4 horas) e começa em Amieira do Tejo, uma das doze vilas da Ordem de Malta. Clique para ler o nosso artigo e ver fotos do percurso.

trilho das jans, alto alentejo
Trilho das Jans

Trilho do Conhal

Também é um dos nossos percursos pedestres preferidos em Portugal. Situado na margem esquerda do rio Tejo, é uma rota circular com 11,2 km. Destacam-se as vistas para o rio e para o Monumento Natural das Portas de Rodão, o voo sereno dos grifos e os gigantescos montes de seixos do Conhal do Arneiro, resultado da extração de ouro durante o período de ocupação romana.

Toda a informação em: https://natural.pt/protected-areas/monumento-natural-portas-rodao/pathways/pr4-nis-trilhos-do-conhal?locale=pt 

Trilho do Conhal, Alto Alentejo
Trilho do Conhal

Belver

A pequena vila de Belver situa-se na margem direita do rio Tejo. Além do castelo e das belas vistas que proporciona, gostámos muito de percorrer o Passadiço do Alamal, uns passadiços de madeira na outra margem, com início na Praia Fluvial do Alamal e fim junto à Ponte de Belver (cerca de 2 km de extensão). 

Belver, Alto Alentejo
O que visitar no Alto Alentejo – Belver

Avis

Igualmente situada no alto de um monte, a bonita vila de Avis foi sede da Ordem Militar de Avis, a mais antiga das Ordens Portuguesas, na altura em que estas povoavam, defendiam e construíam cidades, tendo dado o nome à segunda dinastia a reinar em Portugal. Por esse motivo, o seu centro histórico, de traçado medieval, tem muito para ver, como as ruínas do Convento de S. Bento de Avis (séc XIII); a antiga residência dos Mestres da Ordem de Avis, hoje ocupado pelos Paços do Concelho; a Igreja Matriz; o bonito Pelourinho e três das seis torres que restaram do castelo.

Avis, Alto Alentejo
O que visitar no Alto Alentejo – Avis

Outros locais a visitar no Alto Alentejo 

Se tiver mais dias disponíveis ou quiser incluir outros pontos de interesse no seu plano de viagem, aqui ficam mais algumas sugestões de lugares a visitar:

  • Cascatas da Serra de São Mamede: Cascata do Pego do Inferno, Cascata da Ribeira de Arronches e Cascata da Cabroeira, entre outras. Nós, pessoalmente, passámos à frente, porque no verão, têm muita pouca água e as mais acessíveis são bastante concorridas.
  • Anta do Tapadão. É um dos dólmens mais bem preservados de Portugal e um dos muitos vestígios do megalitismo no Alto Alentejo (a 7 km de Flor da Rosa).
  • Miradouro do Pico de São Mamede, o ponto mais alto da Serra de São Mamede.
  • Outras localidades com encanto, como Arronches, Crato, Alter do Chão e Fronteira.
Anta do Tapadão, Alto Alentejo
Anta do Tapadão

Por fim, queremos agradecer à Associação Empresarial da Região de Portalegre (NERPOR) que, no âmbito do projeto Alto Alentejo in Motion, nos deu a oportunidade de regressar a esta zona de Portugal de que tanto gostamos, com o objetivo de dar a conhecer o que de melhor tem para oferecer.

Para saber mais sobre o Alto Alentejo, aconselhámo-lo a consultar os websites do Turismo do Alentejo e do Turismo de Portugal. E, claro, poderá usar a secção de comentários em baixo para esclarecer dúvidas ou acrescentar sugestões.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *